Restinga de Maricá continua abandonada

Da redação | João Henrique – Anos se pararam após a criação da APA (Área de Proteção Ambiental) na restinga de Maricá e o abandono impera na região, que serve hoje, para a desova de corpo e veículos roubados.

O grupo luso-espanhol IDB (Instituto de Desenvolvimento Brasileiro) adquiriu a área e criou o projeto do Resort, que teve uma grande barreira, os ambientalistas. Eles impediram que na época fosse construído o Resort, mas agora, os governantes querem o investimento de aproximadamente R$8 Bilhões na região.

Material de despachos tomam conta dos cruzamentos com a Av. Prefeito Joaquim Mendes, na Restinga. (Foto: João Henrique | Maricá Info)
Material de despachos tomam conta dos cruzamentos com a Av. Prefeito Joaquim Mendes, na Restinga.
(Foto: João Henrique | Maricá Info)

Agora, uma aldeia indígena está se instalando na área, que segundo os índios, foi doada pelo prefeito Washington Quaquá para a aldeia da semente, que abrigará índios Tupi-Guarani de Camboinhas e índios Maracanã. De acordo com o índio Tupã, eles irão cuidar da área verde e impedir as queimadas que sempre acontecem na região.

A restinga que abriga parte da história da cidade está sendo destruída pelos moradores da cidade e pelos turistas, que lá jogam o seu lixo, promovem queimadas, abandonam animais e pneus velhos.

O local de grande potencial turístico não recebe os devidos cuidados e está sendo destruído a cada dia.

Pick Up incinerada na Restinga de Maricá. Local é usado para a desova de corpos e veículos roubados. (Foto: João Henrique | Maricá Info)
Pick Up incinerada na Restinga de Maricá. Local é usado para a desova de corpos e veículos roubados.
(Foto: João Henrique | Maricá Info)

Você é a favor ou contra a instalação do resort? Dê a sua opinião nos comentários.

Redação Maricá Info

Levamos até você um jornalismo crítico, com imparcialidade e independência editorial. Aqui você tem voz, participe! Envie sugestões de reportagem e denúncias para o nosso Whatsapp: (21) 99621-9049.

6 comentários em “Restinga de Maricá continua abandonada

  • 23 de maio de 2013 em 13:34
    Permalink

    SOU CONTRA O RESORT. ANTES DE CULPAR OS AMBIENTALISTAS, ACHO QUE AS PESSOAS DEVERIAM SE INFORMAR MAIS SOBRE O ASSUNTO. SÓ PARA CONSTAR, MARICÁ TEM 362.480 KM2. A APA DE MARICÁ, OU SEJA, A ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL TEM SOMENTE 9 KM2. PORQUE ENTÃO SE MARICA POSSUI TANTA TERRA, DESEJAM CONSTRUIR EM ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL QUE FOI CRIADA POR LEI???? SERÁ QUE TEMOS QUE EXTERMINAR TUDO??? A PREFEITURA CONDICIONA O DESENVOLVIMENTO DE MARICÁ À ESSA ÁREA TÃO PEQUENA. PORQUE ENTÃO NÃO CEDE OUTRA ÁREA A IDB BRASIL RESPONSÁVEL PELA CONSTRUÇÃO DO RESORT? E SÓ PARA CONSTAR, AS PESSOAS ACHAM QUE A ÁREA ESTÁ ABANDONADA, MAS OS ÓRGÃOS QUE DEVERIAM FISCALIZAR NÃO ESTÃO FAZENDO ISSO PROPOSITALMENTE PARA QUE A POPULAÇÃO PENSE ERRONEAMENTE QUE ESTÁ ABANDONADA. COMO DIZ UM AMIGO MEU, COLOQUE O HOMEM NO DOMÍNIO DE DETERMINADA ÁREA E SÓ O QUE VC VERÁ É DESTRUIÇÃO E AO CONTRÁRIO, LIMITE O ACESSO DO HOMEM A DETERMINADA ÁREA E A NATUREZA SEGUE O SEU CURSO NATURAL.

    Resposta
  • 21 de junho de 2013 em 16:40
    Permalink

    Sou contra a construção. Já vi caminhões jogando lixo naquela área enquanto eu estava indo à praia, já vi corpos desovados, turistas acampados à margem da lagoa e deixando lixo após irem embora. A prefeitura nada faz por que não é interesse deles, querem acabar com a natureza, querem somente seus bolsos cheios de dinheiro. E o nosso meio ambiente?

    Resposta
  • 22 de junho de 2013 em 22:22
    Permalink

    Meus amigos, acompanho de perto do trabalho do grupo que comprou a área. Sou moradora do local há 30 anos e, ao contrário de muita gente que opina do sofá de casa (não é verdade, Dra em direito ambiental?), busquei informações concretas a respeito do que está sendo realizado. O processo de licenciamento é público, qualquer um pode estudar. A empresa está propondo gravar com perpetuidade 84% do local e manter lá uma Reserva com centro de pesquisas para que sirva às uiversidades brasileiras. Está propondo acabar com a bagunça na APA e reflorestar muitas áre. Está propondo também viabilizar a regularização fundiária dos pescadores de Zacarias, que serão finalmente proprietários de suas casas. Está propondo ocupar com prédios apens 6% do do imóvel, com mais 10% de praças, jardins e ruas. Tudo isso com o melhor tipo de tratamento de esgoto que há atualmente, o terciário, que deixa a água potável para ser bebida novamente. Está propondo desenvolver o turismo na região, que atualmente se limita a algumas pousadas de família. Quando a Dra. Denise aí pra cima diz que o poder público deixa a bagunça acontecer de propósito, é uma enorme mentira. Há anos, muito antes de se falar em projeto, faço denúncias sobre as irregularidades cometidas no local. E somente agora, graças ao projeto, que alguma coisa começou a ser feita. Antes, não havia resposta! A verdade é que o poder público não tem condições de tomar conta da APA. Em 2006, houve 5 queimadas na área. Devidamente comunicadas. E o bombeiro não apareceu. Situacão diferente agora. Eu vi com meus próprios olhos os funcionários da IDB apagando um incêndio. Informem-se e estudem antes de dar qualquer opinião.

    Resposta
    • 31 de agosto de 2014 em 22:30
      Permalink

      Por que esse Resort está demorando tanto. Aquela região precisa de progresso…. o povo atrasado atrapalha isso….. quando vai acontecer esse empreendimento?

      Resposta
  • 22 de junho de 2013 em 22:29
    Permalink

    A propósito, existe um posseiro na APA que fez o tal sitio do mololô e já destruiu um campo de futebol da vegetação de restinga. Até agora, nunca ouvi ninguém falar desse cara. Procurem se informar. Esse pimba sim merece ser retirado do local. Saudacoes

    Resposta
    • 15 de janeiro de 2014 em 23:51
      Permalink

      PATROCINIO DA MSG DA MARIANA – IDB, CUIDANDO DO FUTURO DE MARICA.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inline
Inline