Pezão toma posse para seu segundo mandato como governador do Rio

Cerimônia de posse foi realizada na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Governador falou sobre planos para sua gestão nos próximos quatro anos

O Governador eleito Luiz Fernando Pezão tomou posse nesta sexta-feira, dia 1º, no plenário da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), para assumir oficialmente seu segundo mandato no comando do Estado. A cerimônia começou pontualmente às 10h, e foi capitaneada pelo deputado estadual e presidente da Casa, Paulo Mello. O ex-senador e agora vice-governador, Francisco Dornelles, também foi empossado hoje. Deputados federais e estaduais eleitos e autoridades do Estado, além do ex-governador do Rio, Sérgio Cabral e do prefeito da Cidade, Eduardo Paes, estiveram na cerimônia.

Em seu discurso de posse, com pouco mais de 20 minutos, o governador disse que pretende continuar a firmar parcerias público-privadas, e também sobre os desafios que irá enfrentar na cidade, nas áreas de educação, saúde, mobilidade urbana e saneamento.

Fazendo elogios e constantemente se dirigindo ao amigo e padrinho político, Sérgio Cabral, Pezão elogiou a parceria quando assumiu o cargo de vice-governador ao lado de Cabral por sete anos.

“Aprendi muito ao lado dele [Sérgio Cabral]. O seu governo foi um dos maiores legados que a cidade já viveu”, disse Pezão para em seguida assistir a uma salva de palmas dos presentes ao ex-governador do Estado.

Em sua fala Pezão também lembrou sua trajetória política, quando foi prefeito de Piraí, cidade onde nasceu e cresceu, lembrando dos tempos difíceis em que viveu, no início de sua carreira política.

“Aprendi muito sendo prefeito de Piraí. No parlamento, nunca deixei de apresentar um projeto. Muitos me questionam como vou governar o Rio, Estado com mais de 16 milhões de habitantes, vindo Piraí, bem menor. Eu respondo que o tamanho é diferente, mas o olhar é o mesmo. No início foram anos bem difíceis, mas estou acostumado a superar desafios e vamos continuar fazendo a cidade crescer. Quando cheguei em Piraí peguei com um orçamento de R$ 17 milhões, em 1997. Quando saí, os números eram de R$ 95 milhões”, conta.

Em relação à segurança, Pezão ressaltou que vai continuar ampliando os projetos das UPPs e novas políticas para os moradores das comunidades do Rio. Ele também agradeceu ao secretário de Segurança Pública do Estado, José Mariano Beltrame.

“Vamos entrar ainda mais nas comunidades e continuar com o trabalho que começamos ainda no governo Cabral. Quero também homenagear o secretário Beltrame e aos secretários que trabalharam junto com a gente durante todo esse tempo”.

No transporte, Pezão disse que os projetos serão ousados e destacou os as obras dos BRTs para Niterói e São Gonçalo.

“Vamos ser ousados no setor. Quero tirar do papel os BRTs para Niterói e São Gonçalo continuar avançando”, destacou.

A saúde também foi uma das áreas em que o governador priorizou para o seu segundo mandato. Nomeado como novo secretário de Saúde do Estado, Felipe Peixoto ouviu do mandatário as cobranças para as melhorias no setor.

“Avançamos muito, mas ainda temos que melhorar na saúde. Não existia UPA, Hospital Dona Lindu, reformamos e ampliamos o Hospital Estadual Alberto Torres, que se tornou referência no Estado. Quero essa mesma dedicação ao novo secretário de saúde, Felipe Peixoto. Ainda temos uma dívida muito grande na saúde”, disse o governador que terá um encontro no próximo dia 7, com o Ministro da Saúde, Arthur Chioro e o prefeito do Rio, Eduardo Paes, em Brasília, para unificar o sistema de regulação do Estado.

Presente na cerimônia, o novo secretário de Saúde disse que já está trabalhando para buscar melhorias para o setor.

“Estou virado e não é por causa do Reveillon. Já estou iniciando conversas com parceiros no intuito de trazer uma melhor saúde para o Estado. Vamos investir ainda mais nos Hospitais Azevedo Lima e no Alberto Torres, além de conversas com a UFF e o diretor do Antônio Pedro para voltar a ser referência no Estado”, disse Felipe.

Em seguida, o governador seguiu para a sede do Governo do Estado para receber nomes do cenário político e conceder entrevista coletiva. Após os compromissos, o governador viajou a Brasília para acompanhar a cerimônia de posse da Presidenta Dilma Rousseff, junto a outros chefes de Estado.

Pezão estima cortes de até 25% no orçamento das Secretarias – Após tomar posse na Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) o Governador Luiz Fernando Pezão e seu vice, Francisco Dornelles, participaram da cerimônia comemorativa no Palácio Guanabara, em Laranjeiras, Zona Sul do Rio, por volta das 11h. No local ocorreu uma cerimônia inter-religiosa com a presença de lideranças políticas, religiosas e de militantes. Em seu discurso, Pezão fez uma série de agradecimentos e prometeu um pacote de cortes entre 20 e 25% nas despesas, e de cerca de 35% em gratificações especiais de cargos comissionados.

Obras de infraestrutura como Bairro Novo, Linha 3 do Metro de Niterói-São Gonçalo, Linha 4 do Metro da Barra da Tijuca não serão impactados, pois os recurso já foram aportados. Além disso, as secretarias de Saúde, Educação e Segurança Pública serão impactadas com os reajustes, porém em menor intensidade, segundo o  chefe do executivo. Os cortes serão oficializados no dia 5, durante a posse do secretariado.

“Nós vamos tomar medidas duras. Nós tivemos uma queda nos nossos royalties de petróleo. Estive com a presidenta da ANP (Agência Nacional do Petróleo), Magda Chambriard, que veio nos alertar da perda futura e pedindo para que nós ajudássemos as 87 cidades a se planejarem. A gente quer fazer um seminário junto com a ANP na área de fazenda e planejamento, esclarecendo sobre as perdas em 2015”, alertou Pezão, esclarecendo que além dessa redução, o estado já teve uma perda significativa com a queda da Atividade Produtiva de Petróleo em 2014 que varia hoje entre 19 e 22% do PIB do estado.

A previsão da ANP, segundo ele, é que o Estado perca cerca de 2,2 bilhões provenientes dos royalties de Petróleo em 2015. Além da perda dos dois bilhões provenientes da queda das receitas de arrecadação de ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) em 2014.

“Tem cidades hoje que tem 70% da sua arrecadação baseada nos royalties de petróleo. Vou colocar técnicos à disposição dos municípios e fazer o dever de casa dentro do Governo do Estado. Vou cortar as gratificações especiais. Os secretários vão ter que se adequar e reavaliar todos os contratos dentro da secretaria como aluguéis de carros e telefones. A gente vai ter um novo momento. Cada secretaria terá corte de 20 a 25%, sendo que nas gratificações especiais, eles podem chegar até 35%. São diversas medias e os decretos devem ser divulgados no dia 6”, reforçou.

A apesar dos cortes, Pezão reiterou que a economia do Estado do Rio de Janeiro vive um bom momento como uma das que mais cresce no país com a criação de 1 milhão de postos de trabalho em 2014 e uma das maiores rendas per capita.

Segurança – No campo da Segurança Pública, o mandatário reiterou seu compromisso de campanha de ampliar os investimentos na área de segurança na Baixada Fluminense, em Niterói e em São Gonçalo.  Pezão também revelou que na próxima quarta-feira (7), participará de um encontro organizado pelo Ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso que contará com as presenças dos governadores do São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo. O objetivo é reforça a segurança nas divisas entre os estados.

“A idéia é montarmos com as Forças Federais grandes operações nas divisas dos estados. Usarmos tudo que temos de aparato”, afirmou.

Após o evento, Pezão seguiu para Brasília acompanhar a posse da presidente Dilma Rousseff.               

Redação Maricá Info

Levamos até você um jornalismo crítico, com imparcialidade e independência editorial. Aqui você tem voz, participe! Envie sugestões de reportagem e denúncias para o nosso Whatsapp: (21) 99621-9049.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inline
Inline