Maricá: Mulher denuncia ser vítima de armação de agente da Guarda Municipal

Moradora de apartamento do ‘Minha Casa, Minha Vida’ de Inoã, Dona Maria de Lourde recebeu a nossa equipe e se disse constrangida pela exposição.

Era uma segunda-feira pela manhã, quando a proprietária do imóvel no Bloco B do residencial Carlos Alberto Soares de Freitas, em Inoã, ela estaria sem água em casa e teria ido até a janela para reclamar com uma funcionária da empresa Sertenge, responsável pela manutenção do empreendimento. Ela, que sofre de problemas de saúde, estaria passando mal e uma mulher perguntou a ela se ela estava bem. Maria disse que não e a mulher acionou a Guarda Municipal, que foi até a sua casa, entrou e chamou o SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

Mulher diz ser vítima de armação de Guarda Municipal.
Mulher diz ser vítima de armação de Guarda Municipal.

Até então, tudo bem. Os socorristas do SAMU chegaram, mediram a pressão e glicose e, diante da normalidade, informaram que a moradora estava em um quadro de depressão.

No outro dia, Dona Maria de Lourde foi informada de que estava circulando na internet que ela teria tentado se suicidar e foi salva pelo Guarda Municipal identificado como Maycon. Segundo as publicações, Maycon teria negociado com ela para que a porta fosse aberta, ela nega todas as informações publicadas.

Segundo ela, que disse estar sendo vítima de uma farsa, o Guarda Municipal não negociou em nenhum momento e ela não estava na janela para se jogar, como ele afirma.

Após o caso ser veiculado na mídia, o Guarda Municipal teria recebido o apoio de colegas de farda de diversas cidade e o caso foi compartilhado por milhares de pessoas.

A senhora, disse que não pode mais sair que é alvo de piadas e chacota, já que as pessoas ficam zombando dela falando para ela não se jogar na frente dos carros, da escada, etc.

Maria de Lurde da Silva Lima deu uma entrevista exclusiva ao ‘Maricá Info’ com o seu relato do que aconteceu. “Eu levantei de manhã. Estava sem água desde o domingo aqui, então aqui a gente vai um ajudando o outro. Aqui trabalha uma empresa, a Sertenge. Eu cheguei até a janela, ainda estava com a minha roupa de dormir, meu baby doll, e cheguei perto da janela e fiz assim para os rapazes: – Vocês podem fazer um favor para mim, pede o Alex, se ele pode dar uma chegada aqui, que é o encarregado, de vir aqui e ver a nossa bomba que foi tarrachada – que já foi roubada – e os canos derreteram. Nós não sabíamos e no caso ligamos e o cano derreteu. Ele falou: – Ta bom, vou chamar! Nisso eu falei: – A gente está sem água. Daí veio uma mulher loira de dentro desse condomínio aqui (perguntando): – Senhora, a senhora está passando mal. Eu falei que estou, porque eu já estava no domingo passando mal, pois tive um princípio de infarto, mas falei: – To passando mal sim. De repente ela veio com esse guarda. (…) Em nenhum momento, ele falou isso que ele escreveu (sobre negociar para ela abrir a porta). Ele falou assim: – Senhora, sai da janela. Eu falei assim: – Ta vou sair.” Disse.

Dona Maria de Lourdes disse que o guarda peguntou se ela poderia abrir a porta, e ela abriu. “Nisso que eu abri a porta, eu vim com meu lençol, aí eu falei que estava passando mal, que estava com a minha língua dormente.” Disse.
Segundo ela, o Guarda Municipal Maycon perguntou se ela queria que chamasse o SAMU, e ela disse que sim.

Dona Maria de Lourdes, emocionada, disse que em nenhum momento tentou se jogar, como disse o guarda. “Agora a minha imagem virou chacota, as pessoas na rua zombam de mim. No fundo, no fundo ele acabou comigo.” Comentou.

Tentamos entrar em contato com o GM Maycon, deixamos até uma mensagem pelo Whatsapp, mas não obtivemos resposta. A mulher informou que irá procurar o Comando da Guarda Municipal para pedir que o GM Maycon ou a Guarda se retrate. Procuramos o comando da Guarda Municipal de Maricá, que preferiu não se manifestar.

O Guarda Municipal estava tirando o seu primeiro serviço após ser transferido após multar um carro de um pastor e subsecretário da prefeitura de Maricá. A prefeitura informou ao jornal Extra que o agente já estava cotado para ser remanejado obedecendo o rodízio.

Redação Maricá Info

Levamos até você um jornalismo crítico, com imparcialidade e independência editorial. Aqui você tem voz, participe! Envie sugestões de reportagem e denúncias para o nosso Whatsapp: (21) 99621-9049.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inline
Inline