Maricá receberá R$ 5,2 bilhões em investimentos

No Rio de Janeiro, os novos projetos privados estão concentrados na Região dos Lagos e no Norte Fluminense. A perspectiva de crescimento das atividades petrolíferas estimulou o planejamento dos Terminais de Ponta Negra (TPN), na Praia de Jaconé, entre Maricá e Saquarema, voltado a atender a indústria de óleo e gás com o desenvolvimento dos campos no pré-sal.

O projeto da DTA Engenharia prevê investimentos de R$ 5,2 bilhões e a geração de 20 mil empregos diretos e indiretos em plena operação. Embora o projeto enfrente oposição do Ministério Público Estadual do Rio de janeiro (MPRJ), por supostamente afetar arenitos de praia (beach rocks), os executivos da DTA Engenharia acreditam receber em breve a licença de instalação pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea) para dar início às obras. O processo de licenciamento está em curso há cinco anos.

“Este é um projeto que tem zero de subsídio, de subvenção, de benefício fiscal. É 100% de capital privado, e temos parceiros interessados em formar consórcios no negócio”, disse Fernando Siriani, diretor da DTA Engenharia.

6 comentários em “Maricá receberá R$ 5,2 bilhões em investimentos

  • 13 de julho de 2017 em 01:33
    Permalink

    MUITO TRISTE !!!
    AO REDOR DE MARICÁ NÃO TEM ÁGUA PARA BEBER E ESGOTO A CÉU ABERTO POR FALTA DE COMPROMETIMENTO DA PREFEITURA E DA CÂMARA DE VEREADORES.
    MARICÁ ESTA CRESCENDO POR SI PRÓPRIA POR SER UMA REGIÃO NOBRE.
    MARICÁ JÁ NÃO SUPORTA MAIS ESSA FALSA POLITICA DE SOCIALISMO DENTRO DO MUNICÍPIO.
    CRIANDO FARTA SECRETARIAS DE BABOSEIRAS PARA UM MUNICÍPIO QUE NÃO TEM ÁGUA PARA BEBER.
    EPT VERMELHINHO X MUNICÍPIO SEM ÁGUA PARA BEBER
    E OUTRAS
    VOCÊ MORA NUMA CASA SEM ÁGUA E ESGOTO
    VOCÊ INVESTE NUM MUNICÍPIO SEM ÁGUA E ESGOTO.
    VOCÊ FAZ TURISMO NUM MUNICÍPIO SEM ÁGUA E ESGOTO.
    COMO ACOMPANHAR TODO ESSE PROGRESSO DENTRO DO MUNICÍPIO SEM TER ÁGUA E ESGOTO.

    Resposta
  • 13 de julho de 2017 em 09:19
    Permalink

    Caro Alberto, a água e o esgoto são serviços que deveriam ser providos pela Cedae. O prefeito anterior fez diversas moções junto à empresa, que entretanto jamais deu uma resposta convincente. Somente depois de ser “ameaçada” pela Águas de Niterói, que é forte candidata a passaram a prestar o serviço em Maricá, a Cedae melhorou precariamente a cobertura em Itaipuaçu. Mas foi só.
    A verdade é que não existe manancial próximo capaz de suprir as necessidades da cidade, o que exigirá grandes investimentos públicos e privados para solucionar o problema. Este projeto do porto pode ser um bom incentivo. Pense nisso.

    Resposta
  • 13 de julho de 2017 em 16:48
    Permalink

    Maricá,Saquarema tem que progredir de forma auto-sustentável,pois as riquezas do pré-sal sao finitas, e não justifica destruir a natureza,esse nosso maior patrimônio,para construir um terminal petrolífero,pois o preço vai será muito alto!

    Resposta
  • 13 de julho de 2017 em 20:07
    Permalink

    Sr Flavio Becker pela sua informação acredito que o sr faça parte deste governo de maricá, apresentando um quadro de empurrar a responsabilidade para outro no caso a CEDAE.
    Sim por falta de comprometimento da prefeitura estamos a espera de investimentos prioritário para nosso município.
    NÃO SOU ADEPTO AO PARTIDO DOS TRABALHADORES OU QUALQUER OUTRO PARTIDO.
    MAIS SIM A BOA GESTÃO E O RESPEITO E A DIGNIDADE COMO E TRATADO O DINHEIRO PÚBLICO RETORNANDO PARA A MELHORIAS E PRIORIDADES DO MUNICÍPIO.
    SR DIZ :ESTE PROJETO DO PORTO PODE SER UM BOM INCENTIVO.
    PERGUNTO: PELOS INCENTIVOS JÁ PRESTADOS PELA PETROBRAS COM OS ROYALTIES DE PETRÓLEO QUE JÁ ULTRAPASSARAM 340 MILHÕES A JUNHO DE 2017.
    Á ONDE E APLICADO TODO ESSE DINHEIRO????
    PORQUE TANTO INTERESSE NAS AÇÕES SOCIAIS,TRANSPORTE DE GRAÇA,MOEDA MUMBUCA,HORTA E OUTRAS ABSURDAS.SE A POPULAÇÃO NÃO TEM O BÁSICO QUE ÁGUA PARA BEBER E ESGOTO.
    NÃO TEM MAIS COMO ALIMENTAR A IGNORÂNCIA E MENTIRAS PARA UM MUNICÍPIO COM UMA POPULAÇÃO JÁ ESCLARECIDA.
    AO REDOR DO CENTRO DE MARICÁ ALÉM DE NÃO TER ÁGUA PARA BEBER E ESGOTO A CÉU ABERTO ESTA TUDO ABANDONADO.
    ITAIPUAÇU SEM COMPROMETIMENTO DA PREFEITURA EM ESTENDER AS TUBULAÇÕES DE ÁGUAS PARA OUTROS BAIRROS.
    Á PREFEITURA E CÂMARA DE VEREADORES NÃO ACOMPANHAREM ESTE CRESCIMENTO DENTRO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ. EM 2020 NAS NOVAS ELEIÇÕES TODOS SERÃO ESQUECIDOS.
    PENSE NISSO !!!

    Resposta
  • 1 de outubro de 2017 em 16:19
    Permalink

    Concordo com o Sr Alberto. A responsabilidade é da CEDAE? Ela não faz? Façam vocês! Dinheiro tem. Típico nesse país é gastar com cimento, mas desde que apareça (escolas, hospitais, etc…) mas o básico não tem: Água, esgoto e profissional pra trabalhar na escola e hospital. Responsabilidade, senhores… e OUÇAM o que a população QUER!

    Resposta
  • 29 de novembro de 2017 em 08:34
    Permalink

    Na verdade toda infraestrutura e operação dos sistema de saneamento básico cabe aos municípios, logo é de responsabilidade da prefeitura, podendo ela ter sua própria empresa municipal como por exemplo uma ” ÁGUAS DE MARICÁ” ou licitar para que alguma ou algumas empresas privadas possam explorar o serviço por meio de investimentos privados.

    A CEDAE nada mais é do que um órgão que deveria apenas ser “regulamentador”, porém que atua também na parte operacional uma vez que muitos municípios não possuem recursos financeiros para ter uma infraestrutura adequada em saneamento básico, lembrando que saneamento não é somente água e esgoto, mas sim condições de moradia e recolhimento e tratamento de resíduos também.

    É inegável que Maricá está recebendo um aporte financeiro bem robusto referente aos royats do petróleo, porém são insuficientes para por exemplo ter uma empresa Municipal para tratamento de Água e Esgoto, logo a solução seria adquirir um empréstimo junto ao BNDES para atender a essa demanda ou licitar a concessão para empresas privadas explorarem os serviços através de projetos financiados com recursos próprios. Outra questão seria a construção de uma usina para tratamento de resíduos sólidos (lixo) que também demanda recursos na ordem de alguns milhões ao qual a prefeitura também poderia está adquirindo empréstimo junto ao BNDES ou incentivar a instalação por empresas privadas através de concessão de espaço e incentivos fiscais. A instalação dessa solução não somente solucionaria os problemas de saneamento básico da cidade, assim como geraria milhões com a venda de materiais recicláveis, criaria centenas de vagas de emprego, seria sustentavelmente melhor para a cidade além de se beneficiar diretamente com a chegada de mais recursos financeiros, uma vez que grande parte dos municípios do Estado não possuem essa infraestrutura.
    Maricá precisa hoje, investir em quatro pilares básicos :

    1º dar continuidade, porém aperfeiçoando os programas educacionais, proporcionando uma educação de base de excelência que criará uma geração preparada intelectualmente tecnologicamente para o futuro. Além desse ponto a cidade precisa de um polo do CEDERJ, vinculado a UFF, CEFET, UFRJ ou UERJ. Além da instalação de pelo menos uma universidade particular na cidade.

    2º A prefeitura têm condições de incentivar toda uma indústria tecnológica, através de incentivos fiscais e concessão de licenças de instalação de empresas de criação de softwares, aplicativos, etc. Tornar Maricá um “Vale do Silício” brasileiro, através da concessão de empréstimos e pela criação de um banco municipal, capaz de gerir os recursos que estão recebendo (reorganizar a estrutura municipal).

    3º Maricá de fato têm uma vocação turística, porém ainda pouco explorada, gastando dinheiro com shows, quando poderia ter uma agenda de festivais e eventos permanentes, baseada em experiências de cidades como Petrópolis, Paraty, Gramado e Blumenau, o que garantiria recursos permanentes para o município, além de emprego e geração de renda para sua população.

    4º Maricá precisa investir numa infraestrutura de segurança mais adequada, expandindo sua guarda civil, inclusive armando-a. Além de trabalhar em conjunto com as polícias civil e militar, aumentando o número de câmeras na cidade, criando um centro integrado de segurança através de recursos que podem ser obtidos através do ministério da Justiça, Ministério das Cidades e Ministério de Segurança Pública.
    No resumo, Maricá vive hoje um momento único ao qual pode se tornar uma das cidades mais desenvolvidas desse país, alcançando uma qualidade de vida ímpar em toda a sua história….ou se tornar apenas mais uma “Araruama”.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inline
Inline