Deputado Marcelo Delaroli e vereadores de oposição acreditam que Justiça vai impedir implantação de cinco novas secretarias e 600 cargos comissionados em Maricá

O deputado federal Marcelo Delaroli (PR-RJ) acredita em uma liminar favorável na Justiça para impedir a Prefeitura de Maricá de nomear 600 cargos comissionados com a criação de cinco novas secretarias. Reportagem publicada nesta segunda-feira (24) pelo jornal Extra afirma que ação civil foi movida contra o município e o prefeito.

A ação popular nº 0009076-57.2017.8.19.0031 foi ajuizada na 1ª Vara Cível pelo vereador Filippe Poubel (DEM). Ele e os vereadores Chiquinho (PP) e Ricardinho Netuno (PEN) votaram contra o Projeto de Lei Complementar 05/2017, relacionado à criação de cinco secretarias: Cidade Sustentável, Indústria e Portuária, Proteção e Defesa Civil, Políticas Inclusivas; Habitação e Assentamentos Humanos.

“O excesso de secretarias e cargos comissionados faz da administração municipal de Maricá uma das maiores do país. É uma vergonha, uma imoralidade a criação de mais 600 cargos. Defendemos a criação de empregos, mas de forma justa, legal, transparente, através de concurso público. Gerar trabalho para todos os maricaenses e não apenas para aliados do PT. Parabéns aos vereadores Poubel, Ricardinho Netuno e Chiquinho, que votaram contra essa medida na Câmara e estão atuantes para impedir outros abusos e irregularidades do PT”, afirma Marcelo Delaroli.

O objetivo da ação civil é impedir um prejuízo aos cofres públicos de R$ 33 milhões por ano, o que poderia acarretar no descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal. Segundo o deputado, é uma temeridade e irresponsabilidade que o município apoie a sua base de custos em cima dos royalties do petróleo, receita variável, cuja queda na arrecadação aprofundou a crise em diversos municípios.

“O não cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal causaria graves prejuízos para a população de Maricá, não podemos permitir que nosso povo sofra ainda mais. Temos confiança que a Justiça pode impedir a implantação das secretarias e 600 cargos comissionados”, completa Delaroli.

Segundo o vereador Filippe Poubel, o relator da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal de Maricá, em parecer do dia 14 de julho de 2017, recomendou a inadmissibilidade do Projeto de Lei Completar por flagrante violação das normais regimentais. Ou seja, o relator opinou contra a criação de novas secretarias e cargos comissionados.

A ação popular apresenta justificativas comprovando que o Projeto de Lei Complementar foi aprovado irregularmente pela Câmara Municipal, além de ampliar injustificadamente a estrutura administrativa e funcional da prefeitura. Atualmente, a Prefeitura de Maricá possui mais de sete mil funcionários. Filippe Poubel argumenta que não foi realizado estudo de impacto no orçamento do município, que aumenta abruptamente suas despesas com pessoal no momento da maior e mais grave crise econômica, política e social dos últimos cem anos.

“Essa lei é ilegal, dá emprego apenas aos aliados do prefeito, além de ser um crime contra os cofres públicos. Temos confiança na Justiça, os moradores não podem ser ainda mais penalizados porque já sofrem demais com a precariedade da Saúde e outros serviços públicos”, afirma o vereador Filippe Poubel.

Além da anulação do Projeto de Lei Complementar 05/2017, é requerido que o prefeito “seja condenado ao ressarcimento dos valores referentes às despesas com pagamentos e quaisquer outros decorrentes das nomeações nos cargos em comissão criados com o ato lesivo objeto desta ação popular”.

Redação Maricá Info

Levamos até você um jornalismo crítico, com imparcialidade e independência editorial. Aqui você tem voz, participe! Envie sugestões de reportagem e denúncias para o nosso Whatsapp: (21) 99621-9049.

2 comentários em “Deputado Marcelo Delaroli e vereadores de oposição acreditam que Justiça vai impedir implantação de cinco novas secretarias e 600 cargos comissionados em Maricá

  • 24 de julho de 2017 em 19:41
    Permalink

    PARABÉNS AOS DEPUTADOS E VEREADORES DE OPOSIÇÃO PELO ALERTA A ESTA IMORALIDADE COMO E TRATADO O DINHEIRO PÚBLICO DENTRO DO NOSSO MUNICÍPIO DE MARICÁ.
    UM MUNICÍPIO SE QUER NÃO TEM ÁGUA PARA BEBER E TRATAMENTO DE ESGOTO.
    GRANDE PARTE DAS RECEITAS SENDO CANALIZADA PARA SECRETARIAS QUE NÃO TEM COMPROMISSO E COMPROMETIMENTO COM AS PRIORIDADES DO MUNICÍPIO EM ESPECIAL AO REDOR DE MARICA.
    COMO INVESTIR E CRIAR RIQUEZA ??? (SEM ÁGUA PARA BEBER E ESGOTO)
    COMO VIVER NUM MUNICÍPIO SEM ÁGUA PARA BEBER.

    Resposta
  • 25 de julho de 2017 em 16:47
    Permalink

    Marica e seus dirigentes devem viver alienados,em outra realidade,pois o estado do rio(e outros) estão falidos.Enquanto rezamos para não sermos assaltados,ou precisarmos de hospital,ainda tem político que não tem nenhum compromisso com a cidade e com o pais(também câmara sem oposição!)…aliás o compromisso é para se manter no poder. Não sou funcionário publico mas chamá-los de nojento….!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inline
Inline