Início Notícias de São Gonçalo RJ investiga caso de paciente com suspeita de peste bubônica em São...

RJ investiga caso de paciente com suspeita de peste bubônica em São Gonçalo

Reportagem: TV Globo/G1

A direção do Hospital Luiz Palmier (HLP) suspeita que um de seus pacientes esteja diagnosticado com peste bubônica. A informação foi confirmada nesta quarta-feira (9) pela secretaria municipal de São Gonçalo, cidade da Região Metropolitana do Rio.

A suspeita da doença surgiu após a realização de um exame de microbiologia feito na unidade hospitalar. Apesar do resultado, o paciente não apresenta o quadro da doença.

De acordo com a secretaria de saúde, o material biológico da pessoa foi encaminhado para o Laboratório Central de Saúde Pública Noel Nutels (Lacen) já que o diagnóstico não foi confirmado.

A Secretaria estadual de Saúde confirmou ao G1 que o material biológico foi recebido pelo Lacen e irá passar por uma nova avaliação. Após a realização dos novos exames, serão encaminhados para a Fiocruz para ter um laudo conclusivo.

O resultado dos novos testes ainda não foi divulgado. Ainda assim, todas as medidas de precaução foram tomadas pelas equipes do HLP.

‘Doença grave, mas tratamento simples’, diz especialista
O G1 entrou em contato com um especialista no assunto para saber detalhes da doença considerada incomum atualmente. O presidente do Cremerj, Sylvio Provenzano, afirmou que a contaminação é feita através de animais.

“Peste bubônica é uma doença causada por uma bactéria, conhecida como Yersinea pestis. Ela é transmitida pela picada da pulga. A pulga infecta roedores, que nos transmite a doença. Peste bubônica causa um aumento dos gânglios linfáticos, geralmente na região do pescoço. Eles aumentam de tamanho e dão pus. Quando colhemos esse material, podemos diagnosticar a doença”, disse.

Provenzano afirmou ainda que o tratamento é simples, mas é necessário que o diagnóstico seja feito rapidamente.

“É uma doença que tem tratamento. Na minha opinião, é mais fácil tratar esse tipo de doença do que uma dengue hemorrágica. Essa peste, tem tratamento específico. É necessário fazer o isolamento e tratar com antibióticos. Mas se o diagnóstico não for feito, o risco é alto de morrer. É uma doença grave”, disse o médico.

“O último caso descrito aqui no Brasil foi em 2005, os focos da doença no Brasil são em dois lugares: Ceará e Teresópolis. Este é um tipo de doença com notificação compulsória, se for confirmado, todas as secretarias e o Ministério da Saúde são notificados. Isso é necessário para que medidas sejam adotadas para que o número de caso seja controlado”, completou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Favor colocar seu nome aqui