Maricá dá mais um passo para construção de fundos artificiais

Maricá pode receber grandes eventos de surf com ondas perfeitas do fundo artificial. (Foto: João Henrique / Maricá Info)

A Somar, Autarquia de Serviços de Obras de Maricá convocou, na edição 979 do Jornal Oficial de Maricá (JOM), publicado na segunda-feira (12), empresas a apresentarem orçamentos para a construção e instalação de arrecifes artificiais multifuncionais móveis. São dois processos abertos que necessitam da tomada de preços.

Conforme publicamos em janeiro deste ano, Maricá deverá investir R$19 milhões na construção dos arrecifes artificiais, projeto iniciado ainda no governo do antecessor Washington Quaquá (PT).

O projeto já chegou ao conhecimento de grandes nomes do surf, como Adriano de Souza (Mineirinho) e Phil Rajzman, que se animou com a possibilidade das ondas tubulares nos dois sentidos (esquerda e direita).

O projeto foi desenvolvido pela Aram (Arrecifes Artificiais Móveis). Nascida em 2005, a companhia faz parte da incubadora de empresas do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Segundo Maurício Carvalho de Andrade, diretor da Aram, o recife artificial impulsionará o turismo marítimo no Estado do Rio de Janeiro, ao incentivar a prática do surfe e melhorar as condições de balneabilidade. Em Maricá, as estruturas ficarão a 60 metros da praia, com expectativa de gerar ondas perfeitas para surfe durante todo o ano.