Visando mitigar os transtornos causados pelos desastres naturais e dar celeridade ao procedimento de registro de ocorrências, a Prefeitura de Maricá, por meio da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, está investindo em dois sistemas de estruturação: o Sistema de Alerta e Alarme Sonoro com Estação Meteorológica, Hidrológica e Pluviométrica e o Canal Digital. Ambos estão previstos para iniciar a operação já a partir do ano que vem.

O primeiro projeto, que se encontra em processo de licitação, consiste em um aparelhamento composto por oito estações de alerta e alarme hidrológico; seis de alerta e alarme geológicos; cinco estações meteorológicas; sete estações hidrológicas e cinco Plataformas de Coletas de Dados Pluviométricas (PCD’s).

Todas as estações serão distribuídas pelos bairros de Itaipuaçu, Inoã, Centro e Ponta Negra, locais identificados através do mapa de risco de Maricá como sendo pontos críticos do município.

No bairro de Itaipuaçu, por exemplo, serão instaladas estações de alerta e alarme hidrológico (2); estações de alerta e alarme geológico (2); estação meteorológica (1) e PCD’s (2). Já em Inoã será afixada estação de alerta e alarme hidrológico (1); estação hidrológica (1) e PCD’s (2).

No Centro, ficarão posicionadas estações de alerta e alarme hidrológico (3); estações de alerta e alarme geológico (2); estações meteorológicas (3) e estações hidrológicas (2).

Em Ponta Negra, serão postas estações de alerta e alarme hidrológicas (2); estações de alerta e alarme geológicas (2); estação meteorológica (1); estações hidrológicas (4) e PCD’s (2).

“Com essas estações vamos monitorar toda a cidade e saber quais são as áreas mais suscetíveis de desastres naturais. A partir dessas informações, podemos tomar medidas preventivas”, esclareceu o secretário Luiz Carlos dos Santos.

Sobre o Canal Digital, o secretário explicou que o novo sistema permitirá ao morador abrir virtualmente o registro de ocorrência, ao invés de ter de fazê-lo por telefone ou de forma presencial.

“O munícipe vai no site da Prefeitura, abre a página da Defesa Civil, onde ficará disponível o registro operacional. Da sua própria casa ou de onde estiver, basta ter acesso à internet, ele preenche os dados e faz o registro digital. A partir daí, recebemos esse registro e ele acompanha toda a rotina daquela solicitação, inclusive as soluções adotadas e as respostas dadas”, detalhou Luis Carlos dos Santos, acrescentando que a ideia é implementar o projeto logo no início do próximo ano, faltando somente adequar internamente a estrutura.