sábado, 6 junho, 2020
22.5 C
Maricá

SG: Tráfico decreta luto de três dias pela morte de ‘Gaguinho’

O traficante ‘Gaguinho’, um dos líderes da facção criminosa Comando Vermelho, morreu após um confronto com a PM no Complexo da Coruja, em São Gonçalo no último sábado (28/09).

Maico dos Santos Souza, conhecido como Gaguinho, Jogador, ou 2G, ficou dois dias internado sob forte aparato de segurança e morreu na última terça-feira (01).

Gaguinho foi encontrado baleado em um hospital. (Foto: Divulgação)
Gaguinho foi encontrado baleado em um hospital.
(Foto: Divulgação)

O tráfico local decretou luto de três dias e luto forçado durante três dias e determinaram o fechamento de comércios e escolas nos bairros Vila Lage, Neves, Covanca e parte do Barro Vermelho. A ordem foi dada por criminosos armados de fuzis e pistolas, que circularam em motocicletas pela região. Alguns deles chegaram a dar salva de tiros em homenagem ao bandido que era um dos mais procurados do estado e uma das principais lideranças do Comando Vermelho (CV) em liberdade.

Investigado por tráfico, associação para fins de tráfico, homicídios e assalto a mão armada em São Gonçalo e no Rio, Gaguinho ganhou notoriedade na facção após conquistar a confiança dos dois chefões do tráfico no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio: Fabiano Atanásio da Silva, o FB, preso em janeiro de 2012, e Luciano Martiniano da Silva, o Pezão, que continua foragido. Em 2009, ele foi alçado ao cargo de gerente do tráfico da Favela da Fazendinha, em Inhaúma, de onde continuava a controlar a venda de entorpecentes no Complexo da Coruja, além de articular o envio de armas e drogas para o conjunto de favelas do Vila Lage.

Durante a ocupação do Complexo do Alemão pelas forças de segurança, em 2010, ele foi flagrado entre os traficantes que fugiram da comunidade por uma área conhecida como Inferno Verde. De lá, o criminoso buscou abrigo na Favela da Rocinha, após selar um acordo de não agressão com o chefe de uma facção rival: Antônio Bonfim Lopes, o Nem. Em seguida, Gaguinho passou por outras comunidades hoje ocupadas pela polícia: Mangueira e Arará. Entretanto, nunca deixou de promover bailes funk na Coruja e estendeu seu domínio para a Favela do Feijão e os morros do Martins, em Neves, e Buraco do Boi.

[Com informações: O Fluminense]

78,029FansLike
27,269FollowersFollow
2,717FollowersFollow
984SubscribersSubscribe