Início Notícias de Maricá Moradores de Cordeirinho, em Maricá, cobram mais policiamento

Moradores de Cordeirinho, em Maricá, cobram mais policiamento

(foto: João Henrique / Maricá Info)

O bairro de Cordeirinho era, até pouco tempo, um dos mais tranquilos e com menor índice de criminalidade até alguns anos, onde o desenvolvimento chegou no asfalto colocado pela prefeitura em mais de 80% das ruas do bairro.

Com o crescimento econômico, veio a criminalidade. Tráfico, assaltos, furtos, os crimes vêm acontecendo constantemente e assusta os moradores locais, principalmente durante o período de férias escolares e festas de fim de ano, pois o bairro fica cheio devido às praias.

Cordeirinho foi o bairro escolhido pelo ex-senador Darcy Ribeiro para viver seus últimos anos de vida. Ele morava em uma casa à beira mar na rua 117, projetada por Oscar Niemeyer. Outra moradora ‘ilustre’ foi a cantora Maysa, que vinha nos fins de semana para sua casa de praia na rua 89. Ambos foram morar em Cordeirinho pela tranquilidade do local, que agora não há mais de acordo com os moradores.

Vários assaltos a transeuntes e a comércios foram registrados nos últimos meses. Em um deles, um pequeno empresário foi assaltado enquanto trabalhava e teve a sua família feita refém na própria casa.

“Precisamos de mais policiamento aqui, principalmente neste período de férias e festas, que o bairro fica cheio.” Comentou o taxista Luis Guimarães Peixoto, de 47 anos.

O posto de policiamento mais próximo é o de Ponta Negra, que fica a cerca de 6 quilômetros da rua 107, uma das principais entradas de Cordeirinho. Outro posto ‘próximo’ é o da Barra de Maricá, que fica a 7 quilômetros da rua 107.

Moradores comentam que seria importante ter um posto policial em Cordeirinho – assim como há na rua 83 em Itaipuaçu – para dar mais agilidade nas ocorrências e dar mais sensação de segurança para os moradores e visitantes. “Poderiam colocar uma base na rua 90, ou na 107 mesmo, pois são ruas que ficam muito movimentadas e são as principais entradas no bairro depois da chegada do asfalto.” Comentou a moradora Sueli Gomes, de 39 anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Favor colocar seu nome aqui