Disque Denúncia já recebeu nove ligações sobre assassinato de jornalista em Maricá

O Disque Denúncia, serviço de atendimento para pessoas que presenciam ou possuem informações sobre crimes, já recebeu nove ligações com informações sobre a morte do jornalista Romário Barros através do telefone 2253-1177. As investigações seguem a cargo da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá.

Nessa semana, a DH ouviu a viúva de Romário, Islay Monnerat, além de pessoas próximas ao jornalista, assassinato a tiros no último dia 18 quando voltava de uma caminhada no calçadão de Araçatiba.

Entidades do jornalismo, além de autoridades, cobram celeridade nas investigações, já que dois jornalistas foram assassinados a tiros em Maricá em menos de um mês. A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) emitiu uma nota pedindo celeridade na investigação das mortes dos dois jornalistas.

O Programa Tim Lopes, da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), acompanha as investigações e apura se as duas mortes são retaliações e têm relação com a profissão da vítima.

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) também se manifestou sobre os assassinatos.
“Assim como o assassinato de Robson Giorno, é evidente que Romário também foi vítima de um crime premeditado, configurando uma execução”.