Início Notícias do Estado Sergio Cabral sofre importantes derrotas no segundo turno do Rio de Janeiro

Sergio Cabral sofre importantes derrotas no segundo turno do Rio de Janeiro

Do Jornal do Brasil – No que pese ter apoiado os candidatos Rodrigo Neves (PT) e Antonio Francisco Neto (PMDB), vitoriosos em Niterói e Volta Redonda, o governador Sérgio Cabral sofreu importantes derrotas em alguns dos sete municípios fluminenses onde ocorreram eleições neste segundo turno.
Em São Gonçalo, segundo maior colégio eleitoral do estado – só perde para a capital – e município que sofrerá forte influência econômica  por conta da instalação do Polo Petroquímico em Itaboraí, cidade vizinha, a prefeitura foi conquistada por Neilton Mulim, do PR. 
Ele obteve 56,78% sobre o candidato do PDT Adolfo Konder. Mulin é mais do que um aliado, uma espécie de discípulo do ex-governador Anthony Garotinho que se empenhou pessoalmente nesta eleição.
Em Nova Iguaçu, o vitorioso Nelson Bornier – 55,36% sobre Sheila Gama (PDT), com 44,64%, embora seja do PMDB, não reza pela mesma cartilha que o governador Cabral.
Em Duque de Caxias, Cabral chegou a levar o vice-presidente Michel Temer para a campanha de seu candidato, o ex-prefeito Washington Reis (PMDB). O grande vitorioso foi o deputado federal e ex-secretário do governo Cabral, Alexandre Cardoso, do PSB. O socialista obteve 51,53%, numa eleição em que o jogo foi pesado, contra 48,47% do seu adversário. No caso, outro vitorioso foi o senador Lindbergh Farias que apoiou abertamente Cardoso.
Outra derrota para Cabral foi em Petrópolis, em que retorna à prefeitura o socialista Rubem Bomtempo que travou ferrenha disputa com o peemedebista Bernardo Rossi. Bomtempo fechou com 56,05% contra 43,95% de Rossi. Lá também se empenharam Cabral e o presidente do PMDB, Jorge Picciani, a favor de Rossi. A disputa ali ainda pode não ter terminado, devido a processos pendentes de serem resolvidos na Justiça Eleitoral.
Em Volta Redonda, onde Neto com 55,15%  superou os 44,85% obtidos por Jorge Oliveira, Zoinho, Cabral pode  gabar-se por ter derrotado um candidato do seu arqui-inimigo Anthony Garotinho, que se empenhou bastante no pleito daquele município do sul-fluminense.
A Vitória de Niterói – Neves com 52,55% contra 47,45% de Felipe Peixoto -, na verdade, tem muito mais de derrota do PDT do atual prefeito Jorge Roberto da Silveira, cuja popularidade foi a zero, após praticamente abandonar a cidade. O PMDB se dividiu. Enquanto Picciani apoiou Sérgio Zveiter, do PSD, Cabral ficou com Neves, seu ex-secretário de Assistência Social, deixando de lado Peixoto, outro ex-secretário estadual.
Sua expectativa é contar com o apoio de Neves para a candidatura de Luiz Fernando Pezão, seu atual vice, na sua sucessão. Cabral tenta conquistar petistas que se oponham à candidatura própria do partido, no caso, o senador Lindbergh Farias.
Apesar do péssimo final de gestão do governo de Jorge Roberto, Felipe Peixoto, candidato lançado pelo PDT à revelia do atual prefeito que defendia o deputado estadual Comte Bittencourt, conseguiu chegar ao segundo turno e ainda obteve 47% dos votos.
Por fim, em Belford Roxo, o comunista Dennis Dauttmam (PC do B) conquistou 61,46% dos votos contra o deputado estadual Waguinho, que se limitou a conquistar nas urnas 38,54% de todos os votos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Favor colocar seu nome aqui