sábado, 5 dezembro, 2020
24.9 C
Maricá

Avião cai e deixa dois mortos em Maricá, RJ

Um avião de pequeno porte caiu na tarde desta segunda-feira (21) na Lagoa de Maricá, em uma área considerada residencial, na altura do loteamento Marine.

Da redação | João Henrique – Duas pessoas morreram na queda da aeronave monomotor. De acordo com informações repassadas pela Polícia Militar, as vítimas são: Carlos Alfredo Flores da Cunha, 48 anos, que estava com a identificação de Juiz de Direito, e a outra seria Adelmo Louzada de Souza, de 46 anos.

Militares do Corpo de Bombeiros estiveram no local e retiraram os corpos das vítimas da Lagoa de Maricá com o auxílio da Defesa Civil. O Delegado Titular da 82ª DP (Maricá), Júlio Cesar Mulatinho, está no local auxiliando os trabalhos.

Segundo testemunhas, a aeronave realizava estripulias enquanto sobrevoava a lagoa próxima a um campo de futebol. “O avião parou no ar, eu estranhei, pois avião não para no céu, aí depois só vi a aeronave caindo.” Disse José Augusto da Silva, 41 anos.

Bombeiros e agentes da Defesa Civil retiraram os corpos do local.
(Foto: João Henrique | Maricá Info)

Não há informações sobre o motivo da queda do avião monomotor prefixo PT-RKD sobre a Lagoa de Maricá na tarde desta segunda-feira (21). Segundo informações preliminares, a aeronave teria decolado do Aeroclube do Brasil, em Jacarépagua e teria tentado pousar sobre o Aeródromo de Maricá, porém, o mesmo encontrava-se bloqueado por caminhões da prefeitura municipal. O piloto Adelmo estava junto com o Juiz de Direito Carlos Alfredo Flores da Cunha em um voo de instrução, todos os dois morreram no momento da queda da aeronave.

Após a queda, a Prefeitura de Maricá encaminhou uma nota em que esclarece a atual situação do aeródromo municipal. Segue na íntegra:

“Diante de um novo acidente aéreo no município, ocorrido na tarde desta segunda-feira (21/10), a Prefeitura de Maricá vem a público reiterar que a pista do aeródromo municipal continua aberta, não tendo havido até o momento qualquer ação por parte do poder público de solicitar à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) a sua interrupção. A medida técnica, é de atribuição exclusiva da agência e a secretaria municipal de Desenvolvimento Econômico, a quem o aeródromo é vinculado, ainda não tomou qualquer iniciativa nesse sentido, justamente por considerar a necessidade de um eventual pouso de emergência. A pista vem sendo utilizada normalmente por aeronaves em instrução não baseadas no local.

No acidente desta segunda-feira, o monomotor Tupi prefixo PT-RKD, com duas pessoas a bordo, caiu por volta de 17h dentro da Lagoa do Marine, na localidade de São José do Imbassaí, aproximadamente 8 km do Centro de Maricá – onde está o aeródromo. O aparelho ficou destruído e, de acordo com o Corpo de Bombeiros, não houve sobreviventes. Segundo informações iniciais, a aeronave era proveniente do aeroporto de Jacarepaguá, no Rio, e teria caído antes de chegar à cidade. Não há registro desse prefixo entre as autorizações concedidas recentemente pela prefeitura para as decolagens em Maricá.

O complexo aeroportuário encontra-se com suas atividades técnicas, administrativas encerradas desde o último dia 11/09, quando outra aeronave, pertencente a uma escola irregularmente instalada no aeroporto, caiu sobre uma casa no Centro da cidade. No acidente, cujas causas ainda estão sendo investigadas, o piloto morreu e o aluno em instrução ficou ferido. Horas depois da queda, a prefeitura decretou o encerramento de todas as atividades no local, especialmente as exercidas irregularmente por um grupo de empresas cujos alvarás de funcionamento haviam sido cancelados há mais de um ano. A medida foi considerada correta pela Justiça – que a manteve em vigor – e endossada pela fiscalização da própria Anac, que esteve no local e não encontrou qualquer irregularidade.

A secretaria municipal de Desenvolvimento Econômico vem autorizando os proprietários a retirarem bens e pertences das instalações, dentro do processo de reordenamento do local. Até o momento, pouco mais de 50 aeronaves já foram retiradas pelos proprietários após a apresentação da identificação e do certificado de propriedade à secretaria. As autorizações são concedidas de forma imediata.”