Moradora de rua é assassinada de forma brutal no Centro de Niterói

Um homem acusado de matar a tiros uma moradora de rua no Centro de Niterói foi preso em casa, por volta das 18h de terça-feira (19). O caso aconteceu na rua Barão do Amazonas na manhã do último sábado (16).

De acordo com imagens fornecidas por um comerciante de uma loja da localidade, por volta de 5h30 aparece uma moradora de rua que fala e gesticula como se pedisse algo.

O rapaz tenta se desvincular dela mas não consegue, sacou uma arma na cintura e atira pelo menos duas vezes na mulher. Segundo populares, o rapaz é comerciante e trabalha em uma lanchonete pela região.

De acordo com a advogada do acusado, Daniela Lopes, ele estava traumatizado por já ter sido assaltado outras vezes a caminho do trabalho e tinha uma arma, calibre 38 que é registrada em seu nome mas não tinha o porte da arma, só a posse.

“O meu cliente tem o registro da arma e o porte. Ele me informou que estava indo para o trabalho no momento do ocorrido e quando a vitima chegou até ele, o mesmo achou que fosse um assalto. Nesse impulso para não ser assaltado ele acabou reagindo daquela forma. Ele possuía uma grande quantia de dinheiro na bolsa que levava e por isso estava com medo de ser assaltado”, informou Daniela.

Segundo a advogada, a documentação que comprova o porte será entregue para a Delegacia de Homicídios de Niterói (DHNSG). Questionada sobre o cliente ter posse de arma mas não o porte e mesmo assim estar na rua com a arma, a mesma pediu para que os jornalistas fizessem esse questionamento com a Polícia Federal.

De acordo com a advogada do acusado, Daniela Lopes, ele estava traumatizado por já ter sido assaltado outras vezes a caminho do trabalho e tinha uma arma, calibre 38 que era registrada no seu nome mas não tinha o porte da arma, só a posse.

“O meu cliente tem o registro da arma e o porte. Ele me informou que estava indo para o trabalho no momento do ocorrido e quando a vitima chegou até ele, o mesmo achou que fosse um assalto. Nesse impulso para não ser assaltado ele acabou reagindo daquela forma. Ele possuía uma grande quantia de dinheiro na bolsa que levava e por isso estava com medo de ser assaltado”, informou Daniela.

Segundo a advogada, a documentação que comprova o porte será entregue para a Delegacia de Homicídios de Niterói (DHNSG). Questionada sobre o cliente ter posse de arma mas não o porte e mesmo assim estar na rua com a arma, a mesma pediu para que os jornalistas fizessem esse questionamento com a Polícia Federal.

De acordo com o delegado Bruno Reis, responsável pelo caso, que fez uma coletiva de imprensa na tarde desta quarta- feira (20), informou que o acusado vai responder por Homicídio Qualificado por motivo fútil e confirmou que o mesmo só possui a posse de arma, não porte.

“Ele não deveria estar andando armado. O acusado disse que estava traumatizado por já ter sido assaltado outras vezes e naquele dia estava levando uma grande quantidade de dinheiro. Informou também que não sabia se a pessoa que chegou nele era homem ou mulher que se assustou e a sua única reação foi atirar. No momento da prisão o acusado estava em casa e contribuiu bem com as investigações”, disse Bruno.

Ainda segundo o delegado a moradora de rua possui antecedentes criminais por furto. O acusado não possui antecedentes criminais.

A irmã da moradora de rua, que não quis se identificar, informou que a irmã dela pediu R$ 1 para ela para comprar um pão.

“Minha irmã pediu dinheiro pra ele e ele falou pra ela sair de perto que ele ia atirar. E foi exatamente o que ele fez, matou a minha irmã”, disse a irmã da vitima.

O acusado permanece preso na Delegacia de Homicídios (DH) – Niterói / São Gonçalo / Itaboraí , onde o caso está sendo investigado.

Reportagem: Plantão Enfoco