Notícias de Maricá

Maricá: Banhistas devem ter cuidados com água-viva e outros animais que podem causar queimaduras

Há relatos de aparecimento de caravelas-portuguesas em Ponta Negra, Barra de Maricá e Itaipuaçu

Banhistas que frequentam o litoral de Maricá terão mais um fator para ficarem atentos neste fim de semana. No verão, estação mais quente do ano, as águas-viva costumam aparecer no litoral, causando risco de provocar queimaduras em desavisados.

Outro animal marinho, vez ou outra confundido com água-vida, é a caravela-portuguesa (Physalia physalis), que tem esse nome pela sua aparência. Na cidade, há relatos do aparecimento desses animais em Ponta Negra, Barra de Maricá e Itaipuaçu.

Apesar de serem frequentemente confundidas com águas-vivas, as caravelas-portuguesas não pertencem a essa categoria, sendo, na verdade, uma espécie de sifonóforos, criaturas pequenas e transparentes do mar aberto.

Compostas por uma colônia de organismos especializados, as caravelas-portuguesas exibem uma bolsa flutuante colorida, assemelhando-se a uma bexiga, e longos tentáculos equipados com células urticantes. Suas toxinas têm o potencial de causar irritações na pele e desencadear reações alérgicas.

Essas criaturas são encontradas em águas tropicais e subtropicais, sendo impulsionadas pelo vento e pelas correntes oceânicas, pois não possuem mecanismos de propulsão próprios. Devido à sua aparência exótica e ao fato de viverem na superfície da água, é comum que turistas, desavisados sobre a espécie, sintam atração para se aproximar ou até mesmo tocar no animal.

Cuidados

Os banhistas, principalmente as crianças, devem tomar muito cuidado e jamais pegar esses animais, mesmo que pareçam estar mortos e na areia. Mesmo após a morte desses seres, o contato com uma caravela-portuguesa pode resultar em lesões na pele e no sistema nervoso. Sua picada é extremamente dolorosa e pode causar desde coceira e vermelhidão até queimaduras graves de terceiro grau.

As crianças são especialmente vulneráveis, sendo as principais vítimas desses incidentes. O contato com as toxinas das caravelas-portuguesas na região torácica de crianças ou de indivíduos com problemas cardíacos pode desencadear arritmia cardíaca e, em casos mais graves, parada cardiorrespiratória, levando ao óbito

 

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo