27 C
Maricá
terça-feira, novembro 29, 2022

Nuclear Não! Saiba tudo sobre a energia nuclear, seus riscos e suas alternativas

A Energia Nuclear é a energia que se libera de uma reação nuclear, ela pode-se dar pela Fusão ou Fissão do núcleo de alguns átomos como o do Hidrogênio ou o Urânio/Plutônio Enriquecido, mais usado nos dias atuais.


A Energia Nuclear, é uma fonte de energia ‘limpa’, se for considerado a porcentagem de emissão de gases poluentes, a energia nuclear é mais limpa que a proveniente do petróleo.
Resumidamente, a Fissão consiste na ‘divisão’ do núcleo em duas ou mais partículas, liberando nessa reação energia. A fusão, consiste na união de dois ou mais núcleos para formar um novo núcleo, também liberando energia na reação.
A energia nuclear já foi muito discutida e defendida por ecologistas como James E. Lovelock por ser ‘limpa’, não emitindo gases que causam o efeito estufa. Mas ultimamente, com os desastres naturais que ocasionaram na explosão de alguns reatores nucleares no Japão, a energia nuclear vem sendo seriamente criticada e há uma corrente contra esse tipo de geração de energia.


Em relação à energia hidrelétrica, a energia nuclear não necessita de alagamento de áreas grandes para formar os reservatórios, evitando a perda de áreas de flora de uma determinada região. Outra vantagem da energia nuclear, é não defender de fatores climáticos, porventura, a energia hidrelétrica depende do regime das chuvas para seu funcionamento em sua total capacidade.


Então, por que a energia nuclear está sendo tão criticada?


Como visto em acidentes nucleares como em Chernobyl, em 1986 e no Japão, em 2011, vimos como a energia nuclear pode sujar toda uma localidade com a sua radioatividade, que pode causar câncer, vindo a matar muita gente. Águas das redondezas nas áreas atingida pela radioatividade em um acidente nuclear, ficam contaminadas, como as de Fukushima, no Japão.

Vítima de radiação nuclear

    O Japão é um país desenvolvido, rico e treinado para tal desastres, também, país que já foi atingido por duas bombas nucleares, em Hiroshima e Nagasaki.


E se fosse no Brasil? País em desenvolvimento que não está preparado para uma ‘catástrofe nuclear’.
Você já pensou nisso? Se o acidente nuclear japonês acontecesse no Brasil, plano de evacuação poderia atingir até 1 milhão e meio de pessoas, em 27 municípios do Rio de Janeiro e São Paulo.
O Greenpeace, faz um ato de ‘Pare Angra III’, terceira Usina Nuclear brasileira que está sendo construída em Angra dos Reis, no estado do Rio de Janeiro.


Além dos acidentes nucleares, podemos citar uma importante desvantagem da energia nuclear.
Os resíduos radioativos – A geração de rejeito radioativo de usinas nucleares é normalmente baixa, mas representa um problema pois os elementos contidos no combustível queimado, principalmente os produtos de fissão, demoram um tempo muito longo para decairem em outros elementos e apresentam alta radioatividade, portanto é necessário que eles fiquem confinados em um depósito próprio onde não possa haver nem interferência humana externa nem interferência ambiental (já que a interferência ambiental pode causar vazamentos e deslocamento dos elementos).
Considera-se que apenas uma quantidade de 1 quilograma de Plutônio-239 seria, do ponto de vista matemático, suficiente para provocar a extinção da população humana a longo prazo. Em um ano, um reator nuclear de 1200 MW (como p. ex. o de Angra 2) produz 265 kg desse material, que tem uma meia-vida de 24.000 anos.

Então, qual a solução para o problema da geração de energia?

Lembramos a todos que as energias renováveis não poluem, digamos, não no ato de gerar energia, apenas na fabricação dos materiais necessários para a geração de energia limpa, como a Eólica (dos ventos), a Maremotriz (das Marés), a Geotérmica (da Terra/solo) e a Solar (do Sol). Com destaque para a Solar e a Eólica, vendo que a solar tem em sua matriz, o Sol, que ‘banha’ senão todo, 99,999% do território Brasileiro, quiçá, do mundo.
Vale lembrar, que os custos de uma usina nuclear são de Bilhões, como na de Angra III que foi estimada em R$ 7,2 bilhões, no ano de 2008, pulou para R$ 10,4 bilhões até o final de 2010, de acordo com a Eletronuclear. Isso sem contar os R$ 1,5 bilhão já empregado na construção e os US$ 20 milhões gastos anualmente para a manutenção dos equipamentos adquiridos há mais de 20 anos. Desde 2008, o custo de instalação por kW desta usina subiu 44%, de R$ 5.330/kW para R$ 7.700/kW.
Usina Solar
Poucos no Brasil sabem que pode-se gerar energia com a ajuda dos ventos, o Brasil, país tropical banhado por 4.500 Km de litoral ainda predomina a ideia de que só se pode gerar energia elétrica poluindo de alguma forma o Planeta.

Acompanhe-nos no Google Notícias

Sem boatos, sem fofocas, apenas notícias relevantes para você ficar bem informado.

spot_img
spot_img
spot_img