Avôs, tios e outros parentes poderão ser condenados a pagar pensão sob pena de prisão

É comum termos conhecimento de alguém que possui uma Ação de Alimentos há anos e não consegue localizar o Genitor(a) que teria responsabilidade em custear os alimentos do menor. São vários artifícios, sempre mudando de “trabalho”, sempre mudando de “endereço”, os “parentes” informam que o mesmo não está em “casa”, pior ainda o mesmo mantém renda e esconde essa do Juízo incompatibilizando o sustento do menor, ou seja, alega que ganha R$ 800,00, e as vezes o artifício ardil pelo GENITOR(a) Réu consegue despistar o advogado inexperiente e a própria Justiça, às vezes até mesmo para o advogado que não é detetive e o judiciário engessado são limitados em comprovar seu padrão de vida alto, até porque sabemos que muitas famílias apoiam essa atitude do Genitor(a) que vem esquivar-se das suas obrigações como Pai e própria “mãe” caso os filhos residam como o Genitor também tem que ajudar a custear o sustento do menor.

De outra banda, os advogados especializados na área de Direito de Família, vem conseguindo êxito em ações em face dos “Avôs, Tios, Parentes, para complementar a pensão, porque o GENITOR alega que não como pagar, o engraçado e curioso é justamente que depois que os parentes (irmãos, avós, primos) são acionados, logo os Réus conseguem o valor para pagar a pensão alimentícia, curioso não é? Claro, existe caso que o Genitor não tem condições de suportar sozinho os alimentos, razão porque é acionado, por exemplo, os avós.

A questão ainda é muito polêmica e em todo Brasil existe decisões isoladas. Há entendimento que os PARENTES COLATERAIS 2º GRAU (Irmãos), tem essa obrigatoriedade, há entendimento em todo Brasil ainda conflitante sobre a obrigatoriedade de (tios, sobrinho e primos), todavia deve ser aplicado o caso concreto, tudo vai depender em relação entre o ALIMENTADO e o ALIMENTANTE, razão porque recentemente tivemos um caso de “Tio” sendo obrigado a contribuir com os alimentos para complementar o rendimento, embora não tenha transitado e julgado (cabe recurso), já passou cerca de 2 anos e a menor ainda permanece recebendo a “pensão”, lembrando sempre que o SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA (STJ), não está engessado no seu entendimento, poderá ser ao caso concreto e o desenvolvimento da sociedade mudar seu posicionamento, logo na petição inicial (processo) o advogado especializado deverá uma ação sobre medida para seu caso, logo se causa é complexa de TRIBUTÁRIO, CRIMINAL, FAMÍLIA, CONSUMIDOR, contrate um Profissional com conhecimento profundo para ele inovar. Caso não exista entendimento sobre aquele assunto ele terá que inovar (criar).

Por conseguinte, o que parece pacificado em todo Brasil, isto é, vem ganhando força, são os avôs terem a obrigatoriedade do pagamento da pensão. Por outro lado, os avós maternos e paternos podem ser chamados, repito, podem! Na falta dos ascendentes cabe a obrigação dos descendentes, claro na dúvida sobre a condição financeira de qualquer um, para não perder tempo poderão todos concorrer na proporção dos seus recursos ao alimentante, evidentemente que caso os Genitores venham naquele determinado mês fazer o pagamento dos “alimentos”, isso dará oportunidade para liberar os parentes de tal obrigatoriedade face a natureza ser complementar a pensão que alega o réu não ter condições.

Art. 1.696 . O direito à prestação de alimentos é recíproco entre pais e filhos, e extensivo a todos os ascendentes, recaindo a obrigação nos mais próximos em grau, uns em falta de outros.

Art. 1.697. Na falta dos ascendentes cabe a obrigação aos descendentes, guardada a ordem de sucessão e, faltando estes, aos irmãos, assim germanos como unilaterais (Grifo nosso) Art. 1.698 . Se o parente, que deve alimentos em primeiro lugar, não estiver em condições de suportar totalmente o encargo , serão chamados a concorrer os de grau imediato; sendo várias as pessoas obrigadas a prestar alimentos, todas devem concorrer na proporção dos respectivos recursos, e, intentada ação contra uma delas, poderão as demais ser chamadas a integrar a lide. 

Logo, boa sorte, a todos nessa trilha não muito confortável em obrigar ao GENITOR(A), a cumprir suas obrigações de custear os alimentos do alimentante.

Sobre o autor:

Dr. Fábio Toledo, especializado Pós-graduado em Direito Privado pela UFF (Universidade Federal Fluminense) e Família. www.fabiotoledo.com.br

Colunista Semanal de várias revistas e do portal 'Maricá Info', aborda questões jurídicas em linguagem acessível ao leigo, deverá ser consultado um advogado especializado para indicar se no caso concreto serão esses entendimentos aplicados

Redação Maricá Info

Levamos até você um jornalismo crítico, com imparcialidade e independência editorial. Aqui você tem voz, participe! Envie sugestões de reportagem e denúncias para o nosso Whatsapp: (21) 99621-9049.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inline
Inline